• Dra. Ana Beatriz Matos

Kyleena®, novo DIU hormonal

Atualizado: Jul 9


O Kyleena® é o novo DIU (dispositivo intrauterino) hormonal que acabou de chegar no Brasil. Uma nova opção, muito segura para contracepção.


Os DIUs são dispositivos intrauterinos com eficácia de longa duração, que pode variar de 5 a 10 anos, dependendo do tipo escolhido. Atualmente, estão disponíveis dois tipos de DIU: o hormonal, que contém levonorgestrel (um hormônio similar à progesterona), o de cobre e o de prata e cobre.


O Kyleena® é o método contraceptivo com menos hormônio do mercado brasileiro, ele contém apenas 19,5 mg de levonorgestrel.


Como o Kyleena® age?


O Kyleena® é inserido no interior do útero da paciente e age localmente, liberando pequenas quantidades do hormônio todos os dias, e esse hormônio atua no útero para evitar a gestação e assim pouco hormônio acaba circulando na corrente sanguínea.


1. O endométrio torna-se relativamente insensível ao estradiol circulante e um forte efeito antiproliferativo é observado. Modificações morfológicas do endométrio e uma fraca reação a corpo estranho local são observadas durante o uso.

2. O muco cervical fica mais espesso e impede a passagem do espermatozoide através do canal cervical.

3. O ambiente local do útero e das tubas uterinas inibe a mobilidade e a função espermática, impedindo a fertilização.

4. A ovulação foi observada em quase todas as mulheres


Vantagens do Kyleena®:


  • Kyleena® – sem a preocupação de esquecimento da pílula por até 5 anos.

  • Fornece mais de 99% de eficácia para cada ano de uso.

  • É tão ou mais eficaz que a laqueadura, com apenas 2 a 3 gestações a cada 1000 mulheres.

  • As usuárias de Kyleena® podem apresentar redução no fluxo menstrual.

Informações gerais:


A inserção do Kyleena® pode ser realizada no consultório médico.

Como o Kyleena® possui o menor corpo em T e o tubo de inserção mais fino disponível em um DIU hormonal, sua inserção é rápida e confortável para a paciente.

É uma excelente opção para mulheres que nunca tiveram filhos.

Tempo de ação:


O Kyleena® após inserido proporciona 5 anos de contracepção segura.

Taxa de falha:


A taxa de falha foi de aproximadamente 0,2% em 1 ano. Ou seja, 2-3 gestações a cada 1000 usuárias do Kyleena®. Em comparação a taxa de falha de uma pílula anticoncepcional, esta pode chegar a 8 gravidez a cada 100 usuárias.


Hormônios:


  • Sem estrogênio - seguro em relação a eventos tromboembólicos.

  • Quantidade total de levonorgestrel (LNG): 19,5 mg.

  • Menor exposição hormonal em comparação com qualquer método anticoncepcional hormonal que não seja DIU, como pílulas, anéis ou implantes.

  • A função ovariana permanece normal e os níveis de estradiol são mantidos


Padrão de sangramento:


Após a colocação de Kyleena®, a maioria das pacientes terá um sangramento mais curto, mais leve e menos frequente após 3 a 6 meses.


Retorno à fertilidade:


O uso de Kyleena® não altera o curso da fertilidade futura.

Taxas de gravidez após a remoção de Kyleena® são semelhantes às de mulheres que não estão em uso de contraceptivos.


Pontos importantes:


  • O Kyleena® não previne infecções sexualmente transmissíveis.

  • A escolha do método contraceptivo deve ser sempre individualizada e orientada pelo ginecologista de confiança.

  • E por último, não existe método 100% eficaz, mas o Kyleena® oferece um excelente perfil de segurança para a sua usuária.


Material educativo elaborado com carinho por Dra. Ana Beatriz Matos.

Fonte do texto e imagens: Bayer® http://www.kyleena.com.br/

As informações contidas neste material não substituem a consulta médica.




Dra. Ana Beatriz Matos

Ginecologista e Mastologista

CRM 141-427

RQE 61182 RQE 61181

C O N T A T O

(11) 2384-2313  | (11) 99320-0163

Av. Ordem e Progresso 157 cj. 303-305

Barra Funda - São Paulo / SP

CEP 01141-030

L O C A L I Z A Ç Ã O

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco

Atendimento particular

Produzido com ♥ por Fever Marketing Médico

Este site está de acordo com as regras de publicidade médica do Conselho Federal de Medicina - Resolução CFM 1974/11.