• Dra. Ana Beatriz Matos

Sistema Intrauterino, DIU hormonal, Mirena®

Atualizado: Jan 27


O que é o DIU (dispositivo intrauterino) hormonal ou sistema intrauterino liberador de levonorgestrel (Mirena®)?

O Mirena® é um dispositivo em forma de T que é introduzido dentro do útero da paciente no consultório do médico. Ele apresenta um reservatório contendo 52mg de levonorgestrel, um hormônio que promove ação ao ser liberado diariamente dentro do útero e assim, evitando a gestação.

Como o Mirena® funciona?

O Mirena® previne a gestação devido os seguintes mecanismos:

- O espessamento do muco do colo uterino, o que inibe a passagem dos espermatozoides;

- Inibição da movimentação dos espermatozoides no interior do útero e nas tubas uterinas

- Inibição do crescimento do revestimento interno do útero (endométrio),

Todas essas ações são promovidas pela presença do hormônio levonorgestrel.

Em algumas mulheres (cerca de 2 em cada 10), o Mirena® impede a ovulação. O efeito mais importante é que este DIU age antes que a fertilização ocorra, ou seja, antes que o óvulo encontre o espermatozoide.

Qual é a eficácia do DIU Mirena® ?

O Mirena® é um dos métodos contraceptivos mais eficazes dentre todos os disponíveis. A taxa de gestação é cerca de 2 falhas a cada 1000 mulheres, sendo mais eficaz que a laqueadura tubárea, em que a taxa de falha de 5 em 1000 mulheres.

A pílula combinada de estrogênio e progesterona tem taxa de falha de 3 a 80 em 1000 mulheres a cada ano.

Quais os efeitos colaterais podem ocorrer?

O principal efeito colateral do Mirena® é a mudança do ciclo menstrual, pois como a camada que reveste o útero internamente (endométrio) fica mais fina, o volume de sangramento reduz e por isto muda de cor, podendo ficar amarronzado. Ocorre ainda a mudança do intervalo entre as menstruações.

A cada 10 mulheres que usam este método, 8 ficam satisfeitas com o padrão de sangramento, a menstruação não ocorre (amenorreia) ou pode ainda menstruar a cada 2 a 3 meses ou 1 vez por mês. No entanto, 1 a 2 pacientes ficam com sangramentos frequentes, mais de uma vez por mês com duração variável.

Nos primeiros 6 meses de uso do Mirena® ocorre um período de adaptação, para que a paciente ao término desse período fique com um padrão de sangramento favorável, isto é, em amenorreia, sangrar de vez em quando ou uma vez por mês. Por isso, é necessário paciência nos primeiros seis meses!

O DIU Mirena® não causa trombose, não interfere na pressão arterial, nem interfere na maioria das doenças. O DIU hormonal não provoca efeitos gastrointestinais, como náuseas e vômitos, não engorda (a chance de aumento de peso é a mesma da mulher que não está utilizando hormônios).

O Mirena® não aumenta o risco de infecção no útero e nem na vagina, seu tubo de inserção ajuda na prevenção da contaminação do mesmo por microorganismos durante o processo de inserção.

Uma dentre 10 mulheres que colocam o DIU hormonal pode ter acne (espinha). Se você tiver, existem medicações que podem ser prescritas.

Existem outros benefícios além da contracepção?

Sim, pois o Mirena® ajuda a reduzir a quantidade do fluxo menstrual na maioria das mulheres, reduzindo a cólica menstrual, podendo ser utilizado ainda por pacientes que apresentem condições que aumentem o sangramento, como miomas. Mas atenção, o médico que vai avaliar e orientar a melhor escolha para cada paciente.

Quanto tempo o DIU hormonal dura?

O Mirena® tem ação por 5 anos, após esse período ele se torna ineficaz e deve ser trocado caso a paciente não deseje engravidar.

Quando a paciente desejar engravidar o médico retira o DIU e a mulher já pode tentar engravidar prontamente.

Quem pode utilizar o DIU-hormonal?

A maior parte das mulheres pode utilizar o DIU Mirena®, inclusive adolescentes e mulheres que nunca tiveram filhos, pode também ser utilizado quando a mulher está amamentando, sem interferir na lactação. O médico avaliará e fará a recomendação se a paciente pode ou não utilizar este método.

Quais complicações podem ocorrer com o DIU-hormonal?

Pode ocorrer expulsão do DIU, a cada 100 DIUs inseridos 5 são expulsos espontaneamente pela paciente, e não se sabe exatamente porque isto ocorre. A paciente em geral percebe que isto ocorreu, e por isso deve procurar seu médico prontamente, e utilizar método contraceptivo adicional.

Infecção pélvica é complicação incomum e a perfuração da parede do útero durante a inserção é evento mais raro, 1 caso em cada 1000 colocações de DIU. Se tal evento for detectado durante o procedimento, mais rapidamente será resolvido, sem deixar sequelas graves para as mulheres.

Desejo colocar o Mirena®, o que devo fazer?

Agende sua consulta com o ginecologista. O seu médico conversará com você para avaliar a indicação do método. Após isso realizará um exame pélvico e poderá solicitar exames complementares antes da inserção.

Como é realizado o procedimento?

A inserção do DIU é realizada no consultório médico, até o sétimo dia da menstruação, ou em uma data previamente agendada para mulheres que não estejam menstruando e para as mulheres no pós-parto, ele é inserido 6 semanas após o mesmo ou imediatamente no caso de abortamento. Durante o procedimento a paciente pode sentir cólicas leve a moderadas.

Após a realização do procedimento são prescritos analgésicos para conforto da paciente e orientações quanto a ultrassonografia para avaliar posicionamento do DIU e retorno no consultório. Aconselha-se aguardar 24 horas para manter relações sexuais.

Informe-se, conheça os métodos contraceptivos e faça a melhor escolha! E lembre-se nenhum método anticoncepcional protege contra o HIV e Doenças sexualmente transmissíveis, por isso não deixe de usar o preservativo!

Dra. Ana Beatriz Matos

CRM 141 - 427

#DIU #Mirena #ginecologia #anticoncepcional

C O N T A T O

(11) 2384-2313  | (11) 99320-0163

Av. Ordem e Progresso 157 cj. 303-305

Barra Funda - São Paulo / SP

CEP 01141-030

L O C A L I Z A Ç Ã O

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco

Atendimento particular

Produzido com ♥ por Fever Marketing Médico

Este site está de acordo com as regras de publicidade médica do Conselho Federal de Medicina - Resolução CFM 1974/11.